sábado, 30 de dezembro de 2017

Adrenaline Rush - Adrenaline Rush (2014) Suécia



Longe vão os dias em que o hard rock era exclusivamente uma coisa de rapazes, o papel das mulheres dentro do género limitado apenas para rolar sobre o capô de um Jaguar - pelo menos, parece que sim! Embora os anos 80 viu a ascensão (e queda) de algumas bandas de rock liderada por mulheres notáveis – pense em Femme Fatale ou Saraya - agora há cada vez mais grupos que seguem a fórmula, a banda sueca Adrenaline Rush é uma delas. Gravado sob os auspícios do Erik Mårtensson (de Eclipse e W.E.T), seu álbum de estréia auto-intitulado foi lançado este ano, em agosto, via Frontiers Records.
Talvez o membro mais reconhecível da banda é a vocalista Tave Wanning, ex-Peaches pop duo. Enquanto muitos (a maioria do sexo masculino) compositores de rock vão encontrar muito prazer em adornar sua aparência, ela tem uma voz muito forte à sua disposição, com uma maneira de cantar que lembra um pouco Janet Gardner do Vixen. Ela soa muito mal-humorada na abertura "Black N’ Blue", uma faixa de melódico hard rock impulsionado por um agressivo e moderno riff de guitarra.
De seguida, estão o single "Change" e "Generation Left Behind", rock contemporâneo simples ilustrado com letras rebeldes cantado pela Miss Wanning. A infusão sleaze festiva do hino "Girls Gone Wild" se segue, não deixando nenhuma dúvida de que esta música em particular pode - e deve - ser "Girls Just Want To Have Fun" da década de 2010. Bem, pelo menos nos círculos orientados ao rock! Ela fica um pouco mais lenta - e um pouco mais séria, para uma mudança - em “When We’re Gone,” um mid-tempo sombrio com alguns licks de guitarra pendentes.
Os ecos de rock dos anos 80 ressoam no teclado "Want It All", seu refrão bem trabalhado, sendo um dos destaques do álbum. Musicalmente, a próxima faixa "Too Young To Die" pode lembrar uma destas bandas como Blue Tears, Brighton Rock ou Hot Boy, pois Adrenaline Rush tem gravitando novamente em direção ao melódico hard rock dos anos 80 / AOR. Com "Oh Yeah", obtém-se um pouco de blues e uma dose sólida do hard rock, aparente ser a influência de Aerosmith.
Em seguida é "No No No", com suas letras rebeldes contra o fundo de riffs de guitarra, culminando num solo alucinante. Tanto o trabalho de guitarra estelar e a estrutura do coro em "Playin’ To Win" trazem à mente Gary Moore nos anos 80 de - e, certamente, é mais um dos pontos mais brilhantes de todo o trabalho. O final "Hit You Like A Rock" é novamente simples e hard rock barulhento com alguns toques modernos, talvez genéricos, mas, no entanto, agradáveis.
Quanto mais Adrenaline Rush caminha, melhor ele fica. As primeiras faixas podem não revelar inteiramente o que é extraordinário na banda, sendo "apenas" hard rock leve, com um pouco de moderno sleaze / glam metal. No entanto, o melhor está por vir com teclados tipo AOR ilustrando "Too Young To Die" ou os pendentes harmonias vocais estilo Aerosmith "Oh Yeah". Na sua totalidade, no álbum é garantido que fornece a chamada "adrenaline rush" (“descarga de adrenalina”) a cada ouvinte que tem hard rock dos anos 80 correndo nas veias.


sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Silent Force - Rising From Ashes (2013) Alemanha




"Rising from Ashes" pode querer mesmo dizer que estão de volta depois de terem terminado, qual fénix renascida das cinzas. O titulo é apelativo e com impacto, mas comigo não pegou. Mas pensava Alex que eu acreditava que esta banda, uma das melhores que alguma vez ouvimos, tinha acabado? Devia ele estar com uma borracheira daquelas quando disse alguma vez, se é que o disse, que Silent Force se tinham silenciado de vez. Se não era possível continuar sem DC Cooper, talvez o melhor vocalista do momento, pelo menos um dos melhores de sempre; pois alguém iria ter capacidade de ocupar o seu lugar à altura, e essa vaga foi preenchida por um preferido meu, Michael Bormann. Disse sobre Bormann na review dos RedRum, que este era um autêntico camaleão no mundo do rock, tanto estava numa onda mais pop como mais metálica ou hardrock e o seu passado é algo de impor respeito. Não tem o alcance vocal de Cooper, nem a sua à vontade interpretativa, mas à sua maneira, Bormann transforma a musica e ela parece que foi feita para si e mais ninguém; não tem uma grande voz mas canta qualquer coisa com enorme classe.
Silent Force é um projecto musical de Alex Beyrodt, um dos melhores guitarristas da actualidade; versátil e eximio, junta-se-lhe a isso a sua classe compositiva, e temos alguém que vai ficar na história.
Este projecto começou por ser um icone metálico neo-clássico e um pouco prog. Com Cooper, a qualidade e classe dos discos anteriores não têm comparação, são de um nivel para lá de muita coisa. Desta vez, e com a alteração de interprete, a direcção musical, incorporou mais o HardRock, algo que Alex tem vindo a fazer com o seu outro projecto Voodoo Circle. Mesmo assim, o poder do power é forte neste disco, Obi Wan! Alex chamou para esta nova batalha, o seu velho amigo de armas, Matt Sinner e com alguma sorte, conseguiu o salta-pocinhas do Alessandro DelVecchio para os teclados. André Hilgers, o outro membro original do projecto, encarrega-se novamente da trovoada (Drums).
São 10 temas de pura energia Hi-Octane do pincipio ao fim em que fica aquele sabor de muito pouco. Demasiado bom! Grande produção, forte e cheia, enormes arranjos, potentes riffs, ora hard, ora heavy, auto-estradas de poder a 1500 cavalos; teclados gloriosos a jogar samplers e hammond, e solos de rasgar as ondas sonoras. A veia é mais hardrocker comercial mas descarrega o power com mixes de teclados progs e vocais desgarrados, imagem de marca de Bormann. (Atentem a: Born to be a fighter).
Estavamos habituados a entregas maiores, e apesar de tudo, mais interpretativas; exemplo do que digo é o 2º àlbum Infatuator; quem é o macho que não acha esse o melhor disco da banda? Aquele tema Gladiator é fenomenal, ou não fosse alusivo ao filme com o mesmo nome, aquele filme de machão que a malta mais gosta de Russel Crowe. Bom, de qualquer modo, o 1º tema rasga a manta com imagens vindas dessa era e com um riff ou linha principal de Malmsteen, do disco Eclipse, mais especificamente do tema "Motherless Child". O restante atira-se para a frente numa dose feroz de vontade de nos mostrar que estão aí e para as curvas, sem baladas, só jet-fuel.
Como disse no inicio deste texto, nunca acreditei que pudesse este projecto ter terminado, isto é demasiado bom para ficar sem continuidade e com este disco segue em frente a todo o gás, muito mais virá. Grandioso disco, vai agradar a uma mais vasta audiência, com toda a certeza! Nota máxima! É preciso recomendar?
McLeod Falou!

  

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Weapon UK - Rising From The Ashes (2014) UK



" Rising from the Ashes" é o título do álbum dos British Hard Rockers Weapon UK, cerca de 34 anos na fabricação. Danny Hynes, PJ Phillips, Jeff Summers e Ian Sweeting trazem de volta Weapon UK, com um tudo para dar, um arsenal de Hard Rock com 10 canções cheias de riff que preenchem a lacuna deixada pela NWOBHM, este é o New Age of British Heavy Metal.
As coisas ficam com andamento adequado após a introdução 'Predlude - The Awakening' com 'Ride the Mariah', uma dose real de baixo pesado e bateria estabelecendo a missão da banda desde o início. Este não é um álbum de tributo a uma era passada, esta é uma faixa de hard rock moderno de roqueiros veteranos experientes. Os vocais de Hynes são perfeitos para este estilo de Hard Rock e Summers mostra que não perdeu nada de sua experiente guitarra como ele deita para fora os licks, como ele continua a fazê-lo na up tempo rocker 'Fountain Of Paradise' e o UFO estilo bluesy rock de " Warrior".
O ritmo é escolhido de volta ao grande estilo com a melodia mais rica com ponta heavy 'Ready 4 U', que é definitivamente um dos meus temas favoritos do álbum, novamente o trabalho de guitarra de Summers é excelente, ao lado de Hynes que realmente se excede no presente.
O show no lado mais pesado com os ritmos estrondosos de “Burning Skies ", como Sweating e PJ Phillips trazem o calor da bateria e do baixo, respectivamente, antes de o ritmo abrandar com os tons do assombro “Alamein”. Então é direto ao gás mais uma vez cheio de funk 'Wonderland'.
A bateria de Sweating abre outra fatia de puro hard rock no excelente hino 'Blood Soaked Rock' e o abastecido riff "Bad Reputation", antes de o álbum fechar como abriu, em alta, com o party rocker 'Celebration Time' .
O álbum traz uma faixa bônus em 'Killer Instinct', que conta com os membros originais da Weapon Baz Downes no baixo e vocais e Bruce Bisland na bateria e vocais. Este é um final apropriado para um álbum que marca o retorno de Weapon UK. Ele pode ter demorado 34 anos, mas valeu bem a pena a espera.



Masterplan - Nova Initium(Ltd. Edition) (2013) Alemanha


O álbum de Masterplan lançado em 2013 é intitulado Novum Initium, e é o primeiro com o vocalista Rick Altzi.
O clipe para “Keep Your Dream Alive” foi gravado em fevereiro, num bunker da força aérea alemã, conhecido como Bunker Erich. (que pode ver mais abaixo)
Também foi lançado um vídeo com a letra de “The Game”.
Quando eu soube que Jorn Lande já não fazia parte de Masterplan fiquei bastante desconfiado de seu potencial futuro. Eu entendo que o ex-Axman Helloween Roland Grapow é o principal homem por trás de sua música incrível, mas as habilidades vocais de Lande, pelo menos para mim, era o que defina a banda além de tantas outras bandas de power andam por aí. A partir do momento que eu vi ele na sua breve passagem com Yngwie Malmsteen Tenho sido um fanboy. E Masterplan em particular foi o veículo perfeito que eu encontrei para seus talentos. As bandas com novos álbuns Novum Initium era uma que eu esperava ansiosamente, não permitindo muitas expectativas para prevenir qualquer possibilidade de decepção. Mal sabia eu ...
Eu devia ter imaginado que o Sr. Grapow não me decepcionava. Com a adição do cantor Rick Altzi (ex-At Vance) e um conjunto de canções que mantêm a grandeza dos fãs têm vindo a apreciar Masterplan ao longo dos anos, não houve necessidade de qualquer preocupação. Um dos principais apelos para mim em relação ao Masterplan (excepto o trabalho génio de guitarra de Grapow e voz brilhante de Lande) tem sido o fato de que as músicas são muito bem escritas. Embora facilmente uma das melhores bandas de power metal de todos os tempos, o que os diferencia é o seu senso de melodia e a capacidade de criar canções com grande sensibilidade "pop", por falta de um termo melhor. Em outras palavras, power metal acessível, que iria apelar para as pessoas que realmente não são fãs do género. Com Novum Initium, Grapow continua no mesmo caminho. Com faixas de destaque "Keep Your Dream Alive", "Through Your Eyes", "Black Night of Magic", e " Betrayal " Grapow e companhia provam que eles são uma força a ter em conta. O vocalista Altzi é semelhante o suficiente a Lande o que se encaixa perfeitamente no seu som característico.
Com os meus medos dissipados eu estou feliz em dizer que Masterplan está tão fresco como sempre e lançaram um álbum tão forte quanto seus lançamentos anteriores. O júri é ainda não se pronunciou sobre se Novum Initium é o seu melhor álbum de sempre, mas certamente é forte o suficiente para ser tão bom quanto o resto. Com um mestre artesão como Roland Grapow no comando do som e das canções não deve haver preocupação quanto ao seu futuro.



Taste - Taste (2012) Suécia


Taste é uma banda sueca de AOR recentemente lançou seu auto-intitulado álbum de estreia. Taste já existe como uma banda há vários anos e é composto pelos irmãos Christopher e Felix Borg.

- Nós somos como sabemos, fortemente influenciada pelos anos 80, e queria que o disco soasse muito anos oitenta com uma leve torção moderna. Estamos muito satisfeitos com o resultado e espero que possamos obter alguns novos fãs com esta versão, diz Christopher Borg para DMB.

Uma vez que, devido à composição atual da fita não pode tocar ao vivo porque a banda começou a gravar directamente para o disco na casa de Christopher, que tem uma pequena casa estudio.

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

POST DA SEMANA Last Autumn's Dream - Fourteen (2017) Suécia



Os melódicos rockers suecos LAST AUTUMN'S DREAM têm uma tradição; eles sempre lançaram com uma precisão metronómica um novo álbum a cada ano no Japão alguns dias antes do Natal, enquanto o mercado europeu está sempre atrasado na entrega. Esta é a versão europeia do novo álbum da banda "Fourteen", que será lançado em fevereiro de 2018.
Last Autumn's Dream comemora o seu 15º aniversário em 2018, e este é o seu 14º álbum de estúdio que mostra desde a capa o gosto pelo Japão.
Sempre liderado pelo vocalista Mikael Erlandsson (LOVER UNDER COVER / SALUTE), o novo álbum vê a banda optar por um som mais "terrestre": não tão poppy como alguns dos mais recentes trabalhos e mais orientados para o rock.
Isto é especialmente notável no som da bateria, menos processado e a mistura geral onde as guitarras ganham mais presença.
Após a breve introdução 'Rise An' Shine '- que cria uma atmosfera agradável - primeira música 'Go!' é a música mais "hard rocking" que os Last Autumn's Dream gravaram em anos, ainda mantendo sua característica cativante.
Erlandsson está na melhor forma, adicionando mais energia ao seu desempenho vocal, a juntar ao reforço dos Last Autumn's Dream em 2018. Na mesma linha - ainda mais hard - há a faixa 9 'Get Them All'.
O clássico LAD aparece no ridiculamente atraente 'I Do not Wanna Wait', o melódico rocker animado pelo baixo 'Let The Curtain Fall' e o rocker tipicamente sueco 'Would not U Like'.
Claro que temos as baladas clássicas da banda, na forma do belo 'Love Again', muito bem organizado.
No entanto, uma prova deste material mais orientado para a guitarra surge novamente em 'Siren', um blues mid-tempo rocker com bastantes riffs e 'Shadow Of The Night' (feito famoso por PAT BENATAR em 1982), uma faixa feita na verdadeira moda de BON JOVI na era de Nova Jérsei.
Os Last Autumn's Dream nunca falham na entrega de material de qualidade. Este "Fourteen" deve ser o seu melhor álbum em muitos anos, ou pelo menos um diferente em termos de som.
Adorei a poppy, o leve som estilo AOR dos últimos discos, mas isso começou a tornar se um pouco repetitivo. Este novo álbum mostra a banda a recapturar o lado rock de suas origens, não perdendo nada de cativante.



sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Storm Of Wind - The Total Glorification (2017) Alemanha



STORM OF WIND foi fundada em 2005. Desde então, várias músicas foram gravadas por conta própria e gradualmente lançadas. 2017 é finalmente a hora de lançar um álbum completo.
A música já gravada será dominada pela JENS BOGREN no Fascination Street Studios. Ele também produziu Dimmu Borgir, Kreator, Amon Amarth, Opeth, Arch Enemy e Dragonforce.
A banda é influenciada por Iron Maiden, Manowar, Blind Guardian, Kreator, Dimmu Borgir, Gamma Ray, Halloween, Dragonforce, Def Leppard, Steel Panther, Orden Ogan, Battle Beast...



quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Northern Light Orchestra - Star of the East (2017) Internacional


A Northern Light Orchestra destaca a majestosa música rock orquestrada com vocais altos vocais, incríveis solos de guitarra dignos de um verdadeiro status de "Guitar Hero" e ritmos fortes que impressionam e revigorizam a geração dos baby boomers que cresceu no que é o clássico rock de hoje! Combinado com os talentos do produtor executivo e executivo de longa data Russ Regan (Neil Diamond, Elton John e Barry White, bem como trilhas sonoras como Flashdance e Jesus Christ Superstar), a NLO deverá a época de espetáculos ao vivo e gravação que oferece o melhor em entretenimento!
Fonte facebook



Romeo Riot - Sing It Loud (2017) USA



Esta banda parece muito promissora, não tenho dúvidas sobre isso. Uma banda que consiste em Ty Sims no baixo ( Bombay Black ), Erik Johnson nas guitarras e vocais (Bombay Black), o extraordinário Scott Miller nas guitarras ( Tango Down ), Mark Giovi nos vocais principais (ex-vocalista de Farcry - High Gear e Álbuns dos Optimism) e, também, J. Pawlak nos vocais não pode ser mau.
É bem conhecido entre os fãs do som clássico hard rock que a Kivel Records é um especialista desse tipo quando se trata de entregar coisas antigas de hard rock. Romeo Riot é uma banda que revitaliza o som de glória do final dos anos 80 com estilo e a certeza é que irá agradar a cada fã desta cena em particular.
Músicas como "Room To Run", "Streets Of Babylon", "Twist Of Fate" e "Same" são todas excelentes como mencionei acima. Guitarras crocantes, som poderoso, ganchos inteligentes e inesquecíveis, coros e uma forte onda dos anos 80 são os ingredientes aqui. Imagina House of Lords e Tango Down e tu ficas com uma ideia de como são essas músicas.
O magnífico rocker de meio-tempo de "Every Now And Then" é simplesmente brilhante; Tem esse sentimento de "Whitesnake" no inicio e eu adoro isso. Alguns elementos dos Night Rangers podem ser ouvidos em "Best Nights Of Our Lives", enquanto o comercial "Cry" rouba o show aqui com o seu incrível ritmo e a sua linda melodia.
Se gostas da cena hard rock do meio da década de 80 e bandas como Whitesnake, Night Ranger, Damn Yankees ou Bon Jovi, então este álbum é para ti. ROMEO RIOT com este disco de estreia visando grandes coisas.



terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Madman's Lullaby - Sins of Greed (2017) USA



MelodicRock Records está animado para anunciar o próximo lançamento no rótulo. Essa banda bate forte! Este álbum é tão intenso e espetacular, então o anestesiado cérebro supersônico, que nos atrevemos apenas a colocar 9 faixas no disco! Para adicionar uma 10ª canção, seria evidente que a cabeça dos ouvintes explodia. Por favor, oiça os hard rockers dos Estados Unidos, Madman's Lullaby, no seu novo álbum "Sins Of Greed", que foi lançado apenas a tempo para a temporada em 24 de novembro. Os Madman's Lullaby têm balançando desde 2007 e seu 4º álbum é o único que os vê entregar tudo o que vocês adoraram neles no passado, com um ataque de força muito forte e alta energia.
Madman's Lullaby (MML) de San Jose, CA criaram a sua própria marca de hard rock bluesy desde 2007. A atual formação da MML é o membro fundador, Mr Brett o guitarrista principal, Eric (EJ) Arbizu na bateria / vocalista, vocalista principal Chris Michaels e o baixista / vocalista Luis Barillas. O lançamento do MML em 2013 "Unhinged" recebeu críticas brilhantes, que levaram a uma visita generalizada em todo os EUA, bem como a nível internacional, e se apresentaram em Anfiteatros e grandes festivais e nos mais humildes dos clubes. A MML compartilhou a conta com artistas como Bad Company, Lynyrd Skynyrd, Night Ranger, WASP, Michael Schenker, Lita Ford e muitos mais.
Fonte: melodicrock.com



Silked & Stained - Love on the Road (2017) Grécia



SILKED AND STAINED apresenta "Love On The Road", é a estreia integral da banda lançada em 18 de dezembro de 2017 via Lion's Pride Music.
Este quarteto grego toca melódico Hard Rock intemporal, mais orientado para o estilo americano de 87 '- 92', com um som energético e uma produção brilhante.
O título "Love On The Road" faz uma referência aos shows bastante intensos da banda, e tocaram muitos shows desde o final de 2013, incluindo datas com Wild Rose, Lionville, Jaded Heart, Hell In The Club e muitos mais.
Tu podes ouvir que, obviamente, todas as músicas do álbum foram aprimoradas e testadas ao vivo, já que todas são realmente polidas com SILKED AND STAINED e o som é como uma máquina de rock bem oleada.
Há apenas 9 músicas, mas todas são boas, sem enchimentos. Os músicos decidiram colocar apenas o melhor na sua estreia, e isso faz maravilhas como "Love On The Road" resultou num forte e efetivo 39 minutos de fantástico melódico Hard Rock.
'Bombshell' começa de uma maneira tão impressionante; um riff pesado, um som totalmente dos anos 80 e, claro, um coro cativante e memorável como a cereja no topo. É um tema matador e uma ótima escolha para abrir o CD.
‘Hold My Hand' é um bom melódico rocker com algumas ondas AOR, onde os vocais sólidos de Bill Tsaklidis complementam perfeitamente o doce trabalho de guitarra de Tony Gavalas. Também deve ser mencionada a grande seção ritmo - em todo o disco fornecendo uma base precisa - nítida e clara na mistura.
"Much Love" é uma esplêndida música melódica com grandes harmonias e um coro viciante. Gosto dos teclados de fundo um dos destaques do disco.
"She's not There" e 'Believe' são conduzidas por um rocker quase dançante liderados por riffs de guitarra acentuados, enquanto a balada no álbum 'Anytime' é simplesmente linda, com uma melodia pulsante por toda parte.
Há uma batida midtempo em 'Lonely Road' com uma seção ritmo forte e guitarras finas bastante picantes aqui e ali, e o que podes esperar de uma música intitulada 'Rockstar'? Sim, coisas de puro rock arena.
A última faixa "Born to Run" foi projetada para cruzar uma auto estrada de LA com o som no máximo, um melódico hard rocker espetacular com uma pura sensação do início dos anos 90.
SILKED AND STAINED surpreendeu-me de muitas maneiras com o seu CD de estreia: músicas matadoras, musicalidade estupenda (tudo é realmente bom, acredite) e um som com uma produção impressionante.
Honestamente, não parece um álbum de estreia, tudo é verdadeiramente polido com uma saída nítida.
"Love On The Road" é clássico Melodic Hard Rock, e muito, muito bem feito.



segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Mr. RIOT - My Life, My Road (2017) Itália


"My Life, My Road" é o novo álbum dos melódico rockers italianos MR. RIOT, e a coisa mais louca sobre isso é que a banda anunciou que se ia dissolver antes do lançamento. É uma pena, porque estes músicos estavam entre as bandas mais promissoras do género, pelo menos da Itália.
Na verdade, MR. O RIOT apresentou uma estreia muito sólida há três anos, e esta "My Life, My Road" - seu segundo e último álbum - apresenta uma musica madura, algumas performances fantásticas e uma produção brilhante.
"My Life, My Road" foi gravado no início deste ano, mas MR. O RIOT decidiu terminar alguns meses atrás. Isso aconteceu em bons termos, e o grupo decidiu lançar o álbum de qualquer maneira.
E felizmente que eles fizeram isso porque é uma coleção de músicas de mlodic hard rock bastante bom.
O melódico hard rock americano dos finais dos anos 80 é o verdadeiro espírito do álbum inteiro, hooky n 'catchy, além de coros contagiosos na atual linha escandinava.
Desde o principio "All The Promises", vais ficar surpreso com a produção cristalina e polida. Este é um número de corrida, mas o pré-coro é altamente harmonizado, e o coro principal é cativante com teclas modernas em segundo plano. Não muito longe de BROTHER FIRETRIBE, ou mesmo de H.E.A.T
Próxima faixa, do título 'My Life, My Road' rocks com um riff seco e uma melodia WHITE LION, enquanto 'Word' é uma semi-balada muito bem trabalhada com pianos, sintetizadores, guitarras rudes, e sólidos vocais do recém-chegado Thomas Libero.
Se gosta de um hino de hair metal e punho no ar, então é melhor ouvires "Never (All Your Lies)", um dos melhores hinos de melódico hard rock em 2017 para mim. Ele tem tudo: um riff de guitarra BON JOVI de 1985, preenchimento de teclado, versos enérgicos e um coro pronto para o estádio com oh-ohs e tudo!, mas muito bem feito e organizado.
E a qualidade continua com o 'Superstar' (parecido com o Mr. BIG), o "10.000 miles" de bom senso, um uptempo rocker mas adicionando acústica na mistura (faz lembrar TRIXTER) e a boa balada 'Little Child', um dos destaques.
Se precisas de mais referências, 'One More Day' mistura o clássico TYKETTO com um moderno CRAZY LIXX, mas MR. RIOT criou o seu próprio som aqui - como em todo o álbum - e este rocker é tão malditamente bem organizado! Canção matadora.
'Fly Away' é uptempo e divertido com sintetizadores ao lado do riff forte e os versos altamente melodiosos (um pouco de HEAVEN'S EDGE aqui), enquanto 'I'll Be There' é a música típica e boa - acústica que fez de EXTREME as superestrelas.
Para o final, a banda reservou uma faixa AOR / metálica moderna em 'Here I Am', com muita harmonia vocal fornecida por amigos como Marco Basile (Mind Key), e onde Simone Mularoni (Sunstorm, Place Vendome) entrega um solo abrasador.
Como disse, é uma pena que essa banda não exista mais. Ouvindo "My Life, My Road", asseguro-te que MR. RIOT estava pronto para as principais ligas.
Há músicas muito bem trabalhadas no molde de melódico hard rock, mas adicionando um "toque especial" na instrumentação que torna o álbum ainda mais agradável, sem perder a motivação e a melodia.
A produção é de primeira qualidade, bem como a mistura que fornece o som apropriado para que essas músicas brilhem.



domingo, 17 de dezembro de 2017

POST DA SEMANA Pretty Maids - Louder Than Ever (2014) Dinamarca


Como já muitos do vós perceberam, esta banda é uma daquelas do top 5 da minha vida, e assim sendo, este disco era esperado por mim com muita curiosidade e entusiasmo. Como tenho vindo a referir, o movimento hardrock está a virar a cabeça a todos; todos querem aparecer cheios de estilo "hollywood" e com guitarras Les Paul a dar ideia de serem todos uns "Bad Boys"; e a verdade é que a moda pegou mesmo, e Pretty Maids também não quiseram perder a oportunidade.
A ideia tem cariz comercial; pegar em temas de discos que não foram tão impactantes, e fazer uma remistura na onda de alguns temas novos que decidiram apresentar como uma nova sonoridade na vida desta banda trintagenária, foi o melhor que conseguiram pensar e apresentar à rapaziada a ver se pega. Há que tentar de algum modo, não é verdade?
Andava um pouco apreensivo com o que vinha por aí, mas na verdade ficar surpreendido foi mais o termo. Poderoso Hard\Metal na veia destes maestros do norte da europa, muito melódico e potente e mesmo assim, sujo "to the core". O gordinho Ken Hammer e o seu chapéu vaqueiro, lá conseguiram emplacar o novo estilo; e estou a adorar.
O primeiro tema deste "o mais barulhento de sempre" é um original, dos quatro usados neste disco. Arranca como se o comboio estivesse a aquecer a caldeira e a avançar lentamente no início da sua marcha até arrancar supersónicamente pelo tempo e pelo espaço num jogo de riffs hardrockers jogado com uma secção ritmica a propósito e elaborado com os elementos próprios de Pretty Maids. O segundo, um remake de "Playing God" parece um tema de Iron Maiden.
Bom, em vez de estar aqui a descrever o que estou a ouvir, posso ser mais objectivo e desmistificar todo este disco; já foi feito por eles, e nessa altura não foi bem aceite e não pegou. É claro que foi feito nos moldes da época e com alguma cautela, mas já foi feito. Assim mesmo, não o foi como agora, e desta vez emplaca mesmo, é poderoso, sem medos, com objectivo e mantém a sua identidade, uns Pretty Maids em que nalgumas passagens vos levará a pensar em coisas como Metallica; "he who never lived" é um exemplo disso, em que além de hardrocker tem passagens alternativas.
De certeza absoluta que vão gostar! É para todas as idades e credos. Hard Rock, Alternativo, Metálico, Dark, Pop, AOR, Prog; é só condimentos para fazerem a grafonola do vosso carocha rebentar com a potência desta receita made in denmark, e não são danish cakes, eheheheh, e podem vir mais assim.
Ideal para o vosso sábado que está bem próximo.
Hiper recomendado!
McLeod Falou!

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Aerodyne - Breaking Free (2017) Suécia



"Breaking Free" é o álbum de estreia da banda sueca de Hard Rock / Glam Metal "Aerodyne". Embora uma banda recentemente formada (janeiro de 2016), "Aerodyne" é composta por músicos experientes da cena sueca do hard rock, depois de duas das principais bandas locais em Gotemburgo, colidirem de frente. A banda é composta pelo vocalista / guitarrista Daniel Almqvist, o baixista Timmy Kan, o guitarrista Johan Bergman e Christopher Almqvist na bateria.
A Aerodyne aparece como uma banda de hard rock / glam metal que, aparentemente, tem tudo: composições atraentes, um vocalista e guitarrista cativante, uma produção elegante e uma aparência incrível de todos os quatro membros da banda. Ainda um visual mais aprofundado verifica-se que esta banda é muito mais do que a primeira impressão sugere. Isso é em grande parte devido às habilidades dos músicos que vão além do grupo estereotipado de hair metal.
O álbum abre em uma série de sleaze rockers "As Above, So Below", "Comin' for you" e "Breaking Free". O Rocking "Run Away" apresenta a aparição bem-vinda de Danny Rexon dos Crazy Lixx, que fornece músicas que são autênticos hinos. Todas as músicas no disco são totalmente indicativas das habilidades musicais do quarteto, provando mais do que suficiente para separar "Aerodyne" da maior parte das bandas de hard rock.
No geral, "Aerodyne - Breaking Free" é um álbum tão substancial quanto possível, incluindo todas as qualidades que o levarão de volta às músicas mais de uma vez. Recomendado para todos os fãs do género e de outros.



Tragik - Tainted (2017) USA



Phil Vincent está de volta com um dos seus melhores projetos, TRAGIK, e seu 7º álbum "Tainted" para ser lançado a 15 de dezembro. Parece que Vincent agora está concentrado na sua carreira solo e TRAGIK, e isso pagou seus dividendos. Suas outras bandas como D'Arcole foram suspensas e LEGION se dissolveu.
E enquanto Damian D'Ercole ainda fornece os solos de guitarra aqui e ex parceiro nos LEGION Vince O'Regan convidado num solo de guitarra, este novo álbum TRAGIK é uma coisa bastante diferente dos trabalhos anteriores de Vincent.
E isso é uma notícia bem-vinda; Vincent / TRAGIK criou uma peça de música muito interessante e diferente.
Na maioria das vezes, as influências DOKKEN desapareceram em favor de uma receita mais elaborada de melódico rock com melodias poppy adicionadas, eletroeletrônicos e algumas coisas lógicas semelhantes a KANSAS.
Claro, as músicas de melódico hard rock ainda estão presentes, como fazem parte do DNA dos TRAGIK, como 'Can not Take it Back' com um sentimento perto de DANGER DANGER do tempo de Paul Laine, o moderno ’Til I See You Again', ou ‘Regrets’ extremamente melodiosos com alguma influência de BAD HABIT.
Mas TRAGIK explora outros territórios novos interessantes neste álbum.
O tema de abertura 'Welcome Back' e 'Face of Sorrow' são melódico rockers, mas com alguns bons sons eletrônicos no fundo musical na linha dos recentes trabalhos de NEWMAN, e tem um som surpreendentemente poppy em 'Into the Great Unknown' com melodia estilo sueco.
Ou verifique a versão original 'Not Over You (Listen)'. A música mistura guitarras modernas com bateria programada da década de 80, muitos efeitos sonoros e batidas quase dançáveis.
A faixa do título 'Tainted' é um rock bastante melódico, mas mesmo aqui o groove é diferente de qualquer coisa lançado antes pelos TRAGIK, então 'Harsh Reality' é um clássico funky melódico rocker, mas com uma apresentação moderna.
E depois temos os TRAGIK desenvolvendo um lado zonzo, mas muito melódico.
'Out of Nowhere' é uma melodia de midtempo com um sentimento AOR, no entanto, os arranjos progressivos tornam essa faixa uma das mais cativantes do álbum.
Outro tema sólido nesta linha aparece com 'Nobody's There', mostrando um KANSAS ou mesmo influências de BOSTON na melodia principal, mesmo com 'Heaven', uma composição bastante longa com pianos, atmosfera de sintetizador e vozes suaves.
Há um 'novo' TRAGIK / Phil Vincent em "Tainted".
Esqueça as capas (desnecessárias) que não refletem o que está dentro musicalmente embalado.
Tu encontras músicas elaboradas neste álbum, sempre com melodia como foco principal ainda rico em arranjos. Também é muito variado, abrangendo diferentes estilos, na sua maior parte, com resultados notáveis.



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

ALCATRAZZ - Breaking The Heart Of The City; The Best Of Alcatrazz 1983-1986 Box Set (2017) USA


Cherry Red / Hear No Evil Records acaba de lançar "Breaking The Heart Of The City, The Best Of Alcatrazz 1983-1986", uma de caixa de 3 CDs dos ALCATRAZZ, incluindo um monte de material inédito que o é como a coleção definitiva da ALCATRAZZ.
Poucos líderes podem reivindicar ter tido uma carreira tão extensa e abrangente como Graham Bonnet; primeiro encontrando a fama como parte dos The Marbles, desfrutando um sucesso com os Bee Gees ''One One Woman” em 1968; uma carreira solo nos anos 70; Mais sucesso com os Bee Gees, e o saboroso disco Warm Ride.
Mas Graham encontrou o que foi possivelmente o seu maior sucesso substituindo Ronnie James Dio nos Rainbow de Ritchie Blackmore em 1979 "Down To Earth", e os singles mundialmente famosos 'All Night Long' e 'Since You Been Gone'.
O sucesso a Solo foi com 'Night Games' e o álbum "Line-Up" em 1981, antes de juntar-se brevemente a The Michael Schenker Group para o "Assault Attack" de 1982.
DISCO UM
Em 1983, era óbvio que Graham devia recuperar alguns dos seus dias de glória nos Rainbow ao formar uma nova banda com uma veia similar de melódico hard rock correndo por ele. Para esse fim, ele formou Alcatrazz com um formidável, mas relativamente jovem guitarrista sueco de 20 anos chamado Yngwie Malmsteen.
Bonnet e Malmsteen formaram uma parceria impressionante de composição, com músicas como 'Island In The Sun' e 'Hiroshima Mon Amour' no CD de estreia da banda,
"No Parole From Rock 'N' Roll". 'Jet To Jet', 'Kree Nakoorie', 'Too Young To Die, To Drum To Live', 'Starcarr Lane' e 'Suffer Me' também estão incluídos.
Fazendo uma mossa saudável nas tabelas dos EUA, auxiliado por vídeos direcionados diretamente à MTV, em nenhum lado o impacto dos Alcatrazz foi tão forte como o Japão, onde a banda se tornou uma estrela instantânea.
Uma turnê japonesa foi reservada para o início de 1984, com planos para registrar uma série de datas para o inevitável LP "Live in Japan". Como aconteceu, o desempenho no local do Nakano Sun Plaza de Tóquio foi considerado tão bom que nenhum outro show foi considerado para inclusão no lançamento "Live Sentence", que inclui versões únicas de 'Night Games', 'Desert Song' de MSG e Rainbow's 'Since You Been Gone', 'All Night Long' e 'Lost In Hollywood'.
O CD UM é complementado com demonstrações instrumentais de 1983 de ‘General Hospital’, 'Incubus' e 'Big Foot', bem como uma versão inédita do 'S.O.S.' de Russ Ballard, gravada na audição de Yngwie Malmsteen para a banda.
DISCO DOIS
Quando Yngwie partiu em 1984 para prosseguir uma carreira bem sucedida como artista solo diante de sua própria Rising Force, Alcatrazz não só perdeu um compositor-chave, mas também um músico que se tornaria um dos principais guitarristas mais influentes da década e além. Embora fosse um familiar desconhecido na época, foi um golpe de génio quando o futuro David Lee Roth e o guitarrista dos Whitesnake, Steve Vai, se juntaram à banda.
Assinando-se na filial dos EUA, Capitol Records, "Disturbing the Peace", foi lançado em 1985, liderado pelo single e o favorito na MTV 'God Blessed Video'. Também estão incluídos no álbum 'Mercy', 'Will Be Be Home Tonight', 'Wire And Wood', 'Desert Diamond', 'Painted Lover' e 'Skyfire'.
O álbum terceiro e final subestimado de Alcatrazz, "Dangerous Games", é representado aqui com uma revisão de 'It's My Life', além do remix 12" de 'Undercover', em CD pela primeira vez.
O Disco Dois é complementado por 6 demonstrações / ensaios inéditos de 1985 para o álbum "Dangerous Games", incluindo 'Set Me Free', 'Blue Boar' e 'No Imagination'.
DISCO TRES
Possivelmente do maior interesse para os fãs de Alcatrazz, e especialmente Yngwie Malmsteen, é o terceiro disco composto de ensaios e sessões de redação, anteriormente inéditas, de 1983, dando uma visão única sobre a composição e os arranjos para o registro "No Parole...".
Como disse, "Breaking The Heart Of The City, The Best Of Alcatrazz 1983-1986" é a coleção definitiva dos Alcatrazz, incluindo as melhores músicas de estúdio completamente remasterizadas e muito material inédito.
Algumas das demos soam melhor que as outras, mas o que importa aqui é o seu estado anteriormente inédito. Todas as faixas foram incluídas por sua importância histórica, e para apresentar uma antologia completa dos Alcatrazz, no estúdio, ensaio e ao vivo no palco.

  

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Wings of Destiny - Butterfly Effect (2017) Costa Rica



Wings Of Destiny uma banda de Power Metal da América Central que ganhou terreno no Power Metal tornando-se conhecida mundialmente por esse power pegajoso com o qual eles nos deleitam.
Wings Of Destiny é uma banda da Costa Rica formada em 2015 na cidade de San José. A banda apresenta o seu recente trabalho de estúdio intitulado " Butterfly Effect", lançado para venda em 8 de dezembro de 2017 sob o rótulo Melodic Revolution Records.



segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Lazy - Iconic Soul (2017) Noruega


Num mundo onde a matemática e música andam de mãos dadas, esta é minha vida, essa é minha alma. Iconic Soul, o primeiro álbum de Lazy é um florescente no género hard rock que revela o poder da mística e o amor pela música.
De Oslo Noruega, ele foi criado no rock'n roll real como Led Zeppelin, Guns 'n Roses e Aerosmith. Ele foi o guitarrista líder nos Suicide Bombers de 2011 a 2017 e lançou o seu primeiro álbum como Lazy no dia 6 de dezembro de 2017.
A música é o meu caminho genuíno na vida. É a melhor forma de me entregar a este mundo. Eu sacrifico por isso de uma maneira que eu não faço por mais nada.
É sujo, decadente, glamouroso, delicioso e bonito. É cru, não polido, incontrolável e misterioso. Prepare-se para ser catapultado para uma paisagem musical de tons estranhos. Correndo para fora do passado em direção ao futuro.
Impressão muito limitada e numerada á mão.
Capa de Gisel Ippoliti.



STILL LIVING - YmmiJ (2017) Brasil


O curioso título "YmmiJ" é o novo álbum dos Melodic Hard Rockers Brasileiros STILL LIVING que foi lançado no dia 8 de dezembro. Ele marca um novo passo para a banda, assim como com este terceiro disco, STILL LIVING criou algum tipo de conceito, no entanto todas as músicas trabalham por conta própria com hooks contagiosos que atrairão qualquer amante do melodic hard rock clássico influenciado pelos anos 80.
Enquanto a maioria das músicas em "YmmiJ" estão ligadas por uma história sobre as tribulações da idade moderna de um tipo chamado Jimmy (daí o título do álbum, seu nome para trás "YmmiJ"), tu podes facilmente desfrutar de todas as músicas separadamente.
E o que realmente importa com STILL LIVING é a sua música, melódico rock muito bem feito.
'Reign of Pills' abre o álbum de uma ótima forma lembrando-me da fórmula MISS BEHAVIOR com riffs de guitarra doces, teclados agradáveis, versos melódicos e um coro cativante. Renato Costa possui uma voz apropriada de tenor para esse tipo de rock - um pouco acentuada, mas proporciona um charme exótico, enquanto o resto dos músicos são sólidos.
Mais forte, o segundo tema 'On the Edge' é conduzido por guitarras fortes, mesmo reforçada no intenso rocker 'Call of the Night', mas a seguir 'Dusty Blue Shadow' regressa a um território Melodic Rock familiar.
'The Man I've Become' é um dos meus temas favoritos, com uma influência clara da American Melodic Rock na linha dos JOURNEY, com teclados agradáveis e uma sensação de hino. 'King of Nothing' oferece um ritmo groovy rocking e letra mais escura, seguido pela balada bastante sólida 'Haunted' com a guitarra bem limpa criando a atmosfera.
O Midtempo estilo AOR 'Peace or Pieces?' musicalmente traz à minha mente TWO FIRES de Kevin Chalfant, 'IM Jimmy' rocks com um toque europeu (em comparação com os italianos WHEELS OF FIRE), e 'Mr. Mirror 'é outra boa balada, desta vez com o piano como instrumento principal.
Alcançando o fim, 'Cult of the Rough Awakening' é mais como um hard rocker, então 'In the Dark' é o curto final com interlúdio falado (há 4 na tracklist) antes de fechar com o instrumental muito melódico 'As Shallow as It Gets'.
É ótimo ouvir bandas como STILL LIVING mantendo a chama Melodic Rock / AOR viva em todos os cantos do planeta.
"YmmiJ" é sólido, misturando ganchos e melodias com uma história de conceito - siga ou não, de qualquer forma vais gostar.



sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

POST DA SEMANA Speed Limit - Anywhere We Dare (2017) Áustria



Speed Limit é outra banda que não apareceu no estúdio de gravação faz algum tempo. O último álbum da banda austríaca foi o Moneyshot de 2010, e isso aconteceu depois de uma ausência ainda maior de 18 anos. Agora, a banda regressa com o seu quinto álbum, Any Where We Dare e dois novos membros: o baterista Hannes Vordermayer e o vocalista Manuel Brettl.
Ainda mais, os Speed Limit mudaram ou, talvez melhor, voltaram para as suas raízes dos anos oitenta. O Moneyshot de 2010 pode ser descrito como melódico hard rock numa embalagem AOR. Hoje Any Where We Dare encontra a banda de regresso aos seus começos de NWoBHM. As músicas dentro deste álbum estão definitivamente mais próximas do melódico heavy metal, se não, no mínimo, mais melódico hard rock. Notavelmente, os riffs são mais fortes e mais nítidos na harmonia de guitarras duplas e o ritmo mais assertivo e poderoso, às vezes, um ritmo rápido. Ambos os elementos dão a muitas das músicas um som grande e épico. No entanto, dentro e por baixo da melodia, harmonia, e groove de hard rock permanecem e aumentam, assim como os arranjos vocais. Manuel Brettl tem uma presença forte, obedientemente assertiva, mas melódica.
Com alguns ligeiros momentos moderados, Speed Limit oferece um heavy e metal resistente. Sober Truth, Step Out The Line, Dealing With Danger, e o tema do título, que inicia o álbum, são algumas das músicas de heavy metal mais assertivas. Alternativamente, alguma moderação vem com No More Ace To Play, que varia em tempo e peso. O Sign Of The Times é um hino de metal. Começando com guitarra acústica e teclados ligeiros com uma voz alegre, ele se desenvolve deliberadamente para um grande solo de guitarra. Affinity Of Souls, o tema de encerramento, é uma balada de rock genuíno, com voz, harmonia vocal e assobios por cima da guitarra acústica.
Em suma, olhando para o seu álbum anterior, o Speed Limite e Any Where We Dare é um regresso refrescante às origens do melódico metal NWoBHM. Espero que seus fãs gostem disso.



quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Dollar Llama - Juggernaut (2017) Portugal


Nascidos em 2002 os Dollar Llama são uma banda de Lisboa que cravaram a sua marca no hard rock português, com claras influências das cenas sludge, doom, southern e stoner. Já pisaram palcos com nomes como, Valient Thorr, Karma To Burn, Sights & Sounds, Cancer Bats, Nashville Pussy, John Garcia ( Ex-Kyuss ), Berri Txarrak, Blasted Mechanism, Xutos e Pontapés e R.A.M.P. só para citar alguns.
O álbum gravado nos estúdios Black Sheep e produzido por Miguel Marques (Easyway, Devil in Me, Backflip, entre outras), este é terceiro álbum dos lisboetas, chamado Juggernaut, e conta com 10 músicas.

  

Down 'n' Outz - The Further Live Adventures of… (2017) UK


Frontiers e Down 'N' Outz (com Joe Elliott dos Def Leppard) têm o prazer de anunciar o lançamento de um novo álbum e vídeo ao vivo, "The Further Live Adventures Of ...". O lançamento ao vivo, capturado na Sheffield Corporation em dezembro de 2014, estará disponível em 2CD / DVD, Blu-ray, vinil e digital. Além disso, no mesmo dia, a banda reeditará seus álbuns de estúdio anteriores, "My ReGeneration" e "The Further Adventures Of ..." em CD, vinil e digital.
Down 'N' Outz é o projeto fundado e liderado pelo Joe Elliott dos Def Leppard e apoiado por membros da Quireboys, Wayward Sons e Raw Glory. Além de Joe Elliott (voz, guitarra, teclados), a banda possui o Paul Guerin (guitarra) dos Quireboys, Guy Griffin (guitarra), Keith Weir (teclados), o baterista Phil Martini (Wayward Sons) e o baixista Ronnie Garrity (Raw Glory).
Fonte: Frontiers Records

  

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

U2 - Songs of Experience (Deluxe Edition) (2017) Irlanda


Os U2 estão de volta com o muito aguardado novo álbum de estúdio ‘Songs of Experience’. Este lançamento da Island Records completam um ano estelar para a banda de Dublin, sucedendo-se ao seu regresso aos estádios com a aclamada e esgotada digressão ‘The Joshua Tree Tour 2017’, tendo tocado para mais de 2,7 milhões de fãs em apenas 51 espetáculos por toda a Europa, América do Norte e do Sul, além da bem-sucedida reedição de 30.º Aniversário de ‘The Joshua Tree’. O novo álbum – o 14.º - é uma obra que acompanha o álbum ‘Songs of Innocence’, de 2014, sendo que ambos os títulos são uma referência a ‘Songs of Innocence and Experience’ do poeta inglês William Blake. ‘The Blackout’ e ‘You’re the Best Thing About Me’ foram as primeiras canções disponibilizadas do álbum. ‘You’re the Best Thing About Me’ é a primeira canção a atingir o top 20 de airplay numa década e já foi remisturada pelo célebre DJ e produtor norueguês Kygo.

  

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Gary Moore - Blues And Beyond (Limited Edition Box Set) (2017) Irlanda


Blues and Beyond de Gary Moore é uma notável coleção de suas poderosas e emotivas gravações de blues no estúdio. Blues and Beyond é lançado num CD duplo, 4 LP e como um conjunto de caixas, que inclui gravações ao vivo inéditas e a biografia oficial Gary Moore, I Can not Wait Until Tomorrow, escrita por Harry Shapiro.
Mais conhecido por seus evocativos sucessos solo, Parisienne Walkways e Still Got the Blues (versões ao vivo neste disco) e sua participação on / off de Thin Lizzy, a carreira solo de Gary Moore.
Ao longo da década de 1980, Gary subiu na hierarquia do rock, mas virou as costas para o que ele considerava como o flash de metal vazio e reverteu o seu coração para a música blues onde ironicamente ele marcou o seu maior sucesso comercial com seus álbuns de blues dos anos 90 e 2000. Além de tocar nas suas próprias bandas, durante uma carreira solo bem-sucedida, Gary misturou com o melhor que o rock e o blues poderiam oferecer, tocando ao vivo e gravado com George Harrison, Jack Bruce, Ginger Baker, Greg Lake, BB King, Albert King, Albert Collins e muitos outros. Gary também era o guitarrista, muitos olhavam, não só para a aterradora velocidade de seu padrão, mas pela paixão, fogo e honestidade na sua musica.



Warrior Soul - Back On The Lash (2017) USA



WARRIOR SOUL, a banda liderada pelo lendário cantor Kory Clarke, lançou o seu novo álbum de estúdio, intitulado ' Back On The Lash ', no dia 1 de dezembro, via o Livewire / Cargo Records UK.
Warrior Soul está de volta com sermões profanos entregues a alta velocidade e volume máximo e é isso que o novo álbum fala! ' Back On The Lash ' é uma poderosa declaração de intenção de Kory e Warrior Soul.
Kory Clarke é um dos últimos verdadeiros líderes do rock and roll e, desde o clássico " Last Decade Dead Century " em 1990, continuou a nadar contra a maré da mediocridade e da rebelião segura. Seu último álbum solo ' Payback's A Bitch ' recebeu a pontuação máxima na revista Rolling Stone após a edição. Este revolucionário de injúrias políticas e rock n 'roll está de volta com um novo álbum em 2017 e tu não vais ouvir um álbum mais poderoso ou autêntico este ano. É tudo o que esperas agressivo, vil e quer fazer ir ao bar e dizer ao planeta que espetáculo.
"Vocês tiveram drogas, armas e tumultos nas ruas, mas teus filhos têm smartphones e Netflix e eles não se importam menos com sua revolução ciclópica. O que é um pouco de pesadelo para a última verdadeira estrela do rock, um cartão selvagem das ruas de Detroit, Kory Clarke, que fez sua reputação e carreira em ser o pior filho de toda a cidade em Badsville com uma agenda social-política incendiária e um rugido por guerra que chocalhe montanhas. " disse a Classic Rock
" Kory Clarke deve ser considerado e é uma das grandes estrelas do rock de todos os tempos junto com Bon Scott, Axl Rose e Micheal Monroe." disse Lars Ulrich - Metallica em ' It's Electric ' Apple Radio 1. 2017



quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Scorpions - Born To Touch Your Feelings - Best of Rock Ballads (2017) Alemanha



"Born to Touch Your Feelings - Best of Rock Ballads" é uma antologia essencial lançada de gravações novas e clássicas (remasterizadas) da banda de hard rock alemã SCORPIONS, também apresentando musicas novas.
Apresentando o comando da carreira dos SCORPIONS sobre o idioma do rock power ballad, eles ajudaram o pioneiro e engenheiro até a perfeição, "Born to Touch Your Feelings - Best Of Rock Ballads" inclui interpretações definitivas de alguns dos hinos mais amados do grupo, bem como a estreia de duas novas canções dos SCORPIONS - "Melrose Avenue" e "Always Be With You" - e uma nova versão de "Follow Your Heart" em 2017.
"Always Be With You", a nova música de Rudolf Schenker, é uma declaração profundamente emotiva de amor e uma história de mudança escrita pelo guitarrista / compositor logo após o nascimento de seu filho mais novo.
"Melrose Avenue", com o nome de uma das avenidas mais famosas de Los Angeles, é a música mais recente de Matthias Jabs, sua música captura perfeitamente a sensação da vida encantadora na Califórnia. É um Midtempo melódico rocker com um solo melódico.
Quarenta anos atrás, a música dos SCORPIONS "Born To Touch Your Feelings" foi lançada pela primeira vez e é hoje um eterno credo musical de Klaus Meine e Rudolf Schenker. Aqui está apresentado em formato acústico.
Então tu encontras "Always Somewhere", "Lady Starlight" e "When The Smoke Is Down Down" (algumas das minhas músicas preferidas dos SCORPIONS) em versões remasterizadas e uma nova versão de 2017 de "Send Me An Angel", entre outras excelentes músicas.
Os SCORPIONS são os mestres das Power Ballads, não podes negar esse fato, e ter todos estes temas juntos com novo material vale sempre a pena ouvir.



Wildness - Wildness (2017) Suécia



A excelente etiqueta alemã AOR Heaven lançou o álbum de estreia autointitulado da banda sueca de Melodic Rock, WILDNESS, no dia 24 de novembro, um dos melhores "recém-chegados" do ano.
Formado pelo baterista e compositor Erik Modin em 2013, os WILDNESS lançaram de forma independente o seu single de estreia autoproduzido, que imediatamente ganhou muito interessados em várias plataformas digitais, como numa série de Estações de rádio online focadas em AOR e Melodic Rock.
As apresentações ao vivo (com WHITE WIDDOW, DYNAZTY e mais) que seguiram mostraram que a banda também era capaz de tocar no palco. Os singles chamaram a atenção de AOR Heaven que assinaram a banda e enviaram-nos para o estúdio.
"Wildness" foi produzido, misturado e dominado por Erik Wigelius (Wigelius, Care Of Night), então espera um som imaculado.
WILDNESS toca melódico hard rock inspirado nos anos 80 com uma pequena ponta e depois cuidadosamente embalado com uma sensação de AOR aqui e ali. Grande parte da "ponta" vem dos rápidos e assertivos rifs de guitarra dupla, ainda sem perder a harmonia de guitarra dupla essencial e necessária. Seguindo os riffs, os solos de guitarra são abundantes e imensos ao longo deste álbum.
O hard rock groove vem de um ritmo constante e pesado que tem toda a subtilidade de um boom sónico. Toda essa bravura de hard n' heavy é temperada por melodias e coros cativantes, voz limpa e boas harmonias vocais, e um doce sintetizador para embelezar e uma atmosfera nos arranjos musicais.
Tu podes esperar dos rockers com 'War Inside My Head', 'Stranger', 'Falling Down' e 'Highlands'. Essas duas últimas músicas têm um ritmo rápido que pode lembrar algumas bandas de melódico metal dos anos 80.
Para temas com uma presença de sintetizador maior, veja 'Alibi', 'Down In The City' ou 'Turning The Pages', onde tanto a orquestração quanto o piano são elementos essenciais. Com 'Welcome The Night', tu tens uma guitarra acústica suave. Mas não se deixe enganar, a música muda para um rocker com alguns solos pungentes para começar.
Finalmente, a balada 'The Flame' (não a é canção dos Cheap Trick) apresenta uma forte linha de piano antes de dar lugar a um crescendo de riffs em ascensão e um grande solo de guitarra.
Misturando riffs fortes (ainda que extremamente polidos) e melodia em abundância, o álbum de estreia dos Wildness é realmente um grande disco, muito forte, uma fatia brilhante de clássico AOR e com uma ponta de melódico hard rock.
Ouvindo o álbum, uma sensação típica escandinava vem dos falantes (nomeadamente ECLIPSE de Erik Mårtensson), energético e melodioso ao mesmo tempo.



terça-feira, 28 de novembro de 2017

Raintimes - Raintimes (2017) Itália



A Frontiers Music Srl tem o prazer de anunciar o próximo lançamento do álbum de estreia dos Raintimes, um novo projeto de melódico rock com dois jovens e talentosos músicos italianos: Pierpaolo "Zorro" Monti (Grace Grace, Shining Line) e Davide Barbieri (Wheels Of Fire, Grace Grace), juntamente com o incrível vocalista Michael Shotton (Von Groove). Também possui os músicos Sven Larsson, Andrea Gipponi e Ivan Gonzalez.
Pierpaolo "Zorro" Monti diz: "'Forever Gone' é uma música muito especial que eu comecei a escrever durante as sessões da minha estreia com Shining Line. Continuei escrevendo a música com a ideia de fazer o álbum 'The Storm'. Pedi a Dave para adicionar algumas partes para completar sua estrutura e gravou a primeira demonstração no mesmo dia. Estávamos muito entusiasmados com o resultado final! 'Raintimes' é um álbum que eu realmente queria usar como homenagem ao meu amor e admiração por The Storm. Eu já toquei os seus dois álbuns (especialmente o "Eye Of The Storm"). Os seus tempos, mergulhados em pura classe melódica, são o cruzamento perfeito entre AOR e melódico rock. A escolha de Shotton como líder era baseada não só na minha admiração por seus talentos, mas porque queria dar uma personalidade forte ao álbum e tornar a música mais pessoal e original ".
Alguns demos foram enviados ao presidente da Frontiers, Serafino Perugino, que apreciou o que ele ouviu e deu aos talentos do norte da Itália a oportunidade de mostrarem o seu talento.
Fato divertido para todos os aficionados ao melódico rock: a dupla de Monti e Barbieri (juntamente com Dave Zublena) na verdade escreveram a incrível música "Love Gets Through" do álbum First Signal "One Step Over The Line" lançado pela Frontiers em junho de 2016.



Ignitor - Haunted by Rock & Roll (2017) USA



Em 2003, o ex-guitarrista da Agony Column Stuart "Batlord" Laurence, com o guitarrista Beverly Barrington, o baixista Brendon Bigelow e o baterista Pat Doyle, começaram uma banda de metal clássico. Depois de uma pesquisa surpreendentemente curta, a poderosa voz de Erika Tandy foi recrutada, e Ignitor nasceu.
Ignitor começou a girar as cabeças em 2004 depois de lançar um EP de seis músicas, Take To The Sky. A banda fez sua estreia europeia no Keep It True Festival, na Alemanha, em novembro de 2005, onde surpreenderam a multidão.
Depois de lançar o Road Of Bones em 2005, e a saída do vocalista Erika Tandy, Ignitor solidificado, escrevendo e gravando o seu próximo lançamento, The Spider Queen, enquanto procurava um grande vocalista. Entretanto a lenda do metal do Texas Jason McMaster dos Watchtower e Dangerous Toys, que se ofereceu para dar os seus lendários talentos vocais ao novo álbum. E assim, os Ignitor estava de volta á cena.
Com o Jason no leme (e no microfone), Ignitor lançou The Spider Queen em 2009, seguido de Year Of The Metal Tiger em 2012 e o álbum de homenagem ao metal Mix Tape '85 em 2013, seguido de mais mudanças de pessoal na banda Ignitor. Para substituir Beverly e Brendon, a banda recrutou o guitarrista Robert Williams (Witches Mark), que foi encontrado bebendo cerveja no sofá de Stuart, e Stuart convenceu o seu velho amigo, o baixista dos Agony Column, Billy "Chainsaw" Dansfiel para preencher o lugar no baixo vago.
Com esta formação de maníacos do heavy metal, os Ignitor lançaram o seu quinto álbum, Haunted By Rock & Roll, no dia 24 de novembro, através do EMP Label Group.